E.E.Japorã. Coordenação de Área faz a diferença.

E.E.Japorã. Coordenação de Área faz a diferença.
E.E.Japorã está buscando inovar suas metodologias sempre! Atividades diferenciadas contribuem para isto!

vc é minha visita nº

Conteúdos

Várias fontes: Nada é de minha autoria.

ENCONTROS VOCÁLICOS: HIATO, DITONGO E TRITONGO


Quando você foi alfabetizado, você aprendeu que:- a e i o u – são as vogais!
- B c d f g h j l m n p q r s t v x z – são as consoantes!
Muito bem, está corretíssimo! Você sabe por que umas são chamadas vogais e outras consoantes?
É muito fácil! Quando você fala, o ar sai pela boca, claro! Bem, ao pronunciar as vogais o ar sai livremente pela boca, já as consoantes não ( há obstáculos: dentes, lábios, língua). Faça o teste, observe que ao dizer as vogais o ar não passa por nenhum obstáculo, diferentemente das consoantes!
Legal, né?!
Bem, vamos voltar à nossa aula.
Então, você aprendeu o que é vogal e o que é consoante.
Preste atenção nestas palavras: SOU e MÁGOA
Pronuncie em voz alta essas palavras e observe atentamente o som da letra O em cada uma.
Você percebeu que o som é diferente? sim
Você percebeu que na primeira o O parece mais forte? sim
Você percebeu que o O da segunda palavra tem som de U ? sim
“E agora, José?”
Será que um desses Os não seria uma consoante???? Claro que não!
Mas você concorda comigo que não posso dar o mesmo nome para esses Os, não é?
SOU- neste caso o som é forte, então é mesmo de uma VOGAL!
MÁGOA- neste caso o som é fraco, mas nem por isso será uma consoante, o som é de uma QUASE VOGAL- o que chamaremos de SEMIVOGAL!
Agora você aprendeu que também existe a semivogal.
Você deve se lembrar que as palavras são divididas em sílabas e que o núcleo da sílaba é sempre uma vogal. Logo, é possível que uma sílaba seja composta somente pela vogal, mas NUNCA será uma sílaba em língua portuguesa, se não houver uma vogal.
Exemplo : a – mor = divisão correta
ps - i- co-lo-gi-a = divisão errada- não existe sílaba sem vogal.
Entendeu? Mas não se esqueça de que só cabe UMA VOGAL em cada sílaba.
Ora, mas e neste caso:
lei – te - neste caso, o i não é vogal, mas é uma semivogal, por isso, ele pôde e deve ficar na mesma sílaba que a vogal e.
A semivogal sempre estará com uma vogal na mesma sílaba.

ENCONTROS VOCÁLICOS
Ao observar uma palavra, você deve ter muito cuidado quando encontrar uma seqüência de vogais. Exemplo: Paraguai, Tuiuiú, piano, moita, etc.
Estamos trabalhando dentro da FONOLOGIA, que é o estudo do som. Portanto, trabalhamos com algo muito delicado ( o som), por isso, a necessidade de muita atenção.
Para relaxar um pouco...
Era uma vez um HOMEM muito sozinho, triste que vivia caminhando por entre as linhas dos livros, revistas, folhetos, folhetins......
Seu nome era senhor VOGAL! Senhor Vogal era um homem reto \ , direito /, porém sentia muita solidão!
Um belo dia, enquanto seguia seu caminho no mundo das letras, deparou-se com as curvas S da senhora SEMIVOGAL- uma donzela: doce, frágil, fraquinha, que nunca poderia viver sozinha. A senhora SEMIVOGAL sempre deve estar acompanhada de um senhor forte como o senhor VOGAL.
Imediatamente se apaixonaram e se entrelaçaram para toda eternidade.
Sr. VOGAL não conseguia se conter e imediatamente a pediu em casamento.
Eles se casaram, tiveram muitas palavras e ficaram juntos para sempre.
Você leu um conto de fada.
E nos contos de fada, pode haver separação do casal?
Claro que não, né?!Então, para nunca mais esquecer:
o sr. Vogal e a sra. Semivogal fazem parte de um conto de fada- NUNCA SE SEPARAM!
Continuando com nossa brincadeira séria...
Seria normal o sr. VOGAL casar com outro sr. VOGAL nos contos de fada?
Hoje em dia, na vida real pode até se casar, mas nos contos de fada, NÃO!Nos contos de fada encontramos um homem se casando com uma mulher e não com outro homem!
Certo até aqui?
Então vamos transpor nossa história para a gramática:
Toda vez que o sr. Vogal encontrar a Sra SEMIVOGAL , deverá ficar com ela na sílaba.NÃO SE SEPARAR NUNCA!!!!É O CASAMENTO TRADICIONAL!!!
Toda vez que o sr. VOGAL encontrar outro sr VOGAL, deverá ficar SEPARADO, cada um em uma sílaba!
Como saber se é VOGAL ou SEMIVOGAL?
Só há um jeito...pelo som!
A letra ‘a’ sempre será uma vogal.
Mas as letras ‘e,i,o,u’ podem ser vogais ou semivogais.
Se forem bem pronunciadas- serão vogais, mas se forem fracas- serão semivogais.
Exemplo: his-tó-RIA -
observando o IA- já sabemos que o A é sempre o sr. Vogal .
E o I? Será também o sr Vogal ou será a doce sra Semivogal???
Para saber, leia em voz alta deixando o I bem forte e observe se é assim que você falaria normalmente.
Você fala: histór I a ou histór i A ?
é claro que falamos histór i A- porque o I nessa palavra é uma semivogal!
Ocorreu DITONGO. Logo, a separação silábica ficará assim: HIS – TÓ- RIA
Outro exemplo: psi- co – lo- gIA -
observando o IA- já sabemos que o A é sempre o sr. Vogal.
E o I? Será também o sr Vogal ou será a doce sra Semivogal???

Para saber, leia em voz alta deixando o I bem forte e observe se é assim que você falaria normalmente.
Você fala psicolog I a ou psicolog i A ?
é claro que falamos psicolog IA- porque o I nessa palavra é uma vogal.
Ocorreu HIATO. Logo, a separação silábica ficará assim : PSI – CO – LO –GI –A
Observe a palavra ‘beato’- como o ‘e’ é bem pronunciado!
o ‘a’ sempre é vogal e esse ‘e’ também é uma vogal, sendo assim, ocorreu HIATO: BE-A-TO
Agora para lembrar os nomes:
Sr. VOGAL e sra. SEMIVOGAL - casal – Dois – D ITONGO
Sr. VOGAL e sr VOGAL - Homens com H - H IATO
- E o tritongo, prof?
Bem, o tritongo é o homem safado, aquele que fica sempre no MEIO de duas mulheres frágeis, coitadinhas!
sra SEMIVOGAL sr VOGAL sra SEMIVOGAL
Lembre-se:
o TRITONGO é a seqüência – semivogal, vogal, semivogal- sempre nessa ordem.
Exemplos: PA-RA- G U A I U- RU – G U A I
Gostou da brincadeira?
Agora fica mais fácil compreender os encontros vocálicos.
Ao se deparar com um encontro vocálico, torna-se necessário reconhecê-lo primeiro. Ele pode ser um destes três:
Hiato- é o encontro de duas vogais e, obviamente, deverão estar em sílabas separadas.
Exemplo: pi - a - no
Ditongo- é o encontro de uma vogal com uma semivogal e deverão estar em uma mesma sílaba. Exemplo: moi – ta
Podem ser:
- ditongo crescente- é o encontro de uma semivogal com uma vogal. Exemplo: gênio
- ditongo decrescente- é o encontro de uma vogal com uma semivogal. Exemplo: cai
E ainda podem ser:
- ditongo oral- a corrente de ar sai somente pela cavidade bucal.§ Exemplo: moita, gênio, cai, etc.
- ditongo nasal- a corrente de ar sai pela cavidade bucal e pelas fossas nasais.§ Exemplo: mãe, mamão, dispõe, muito, etc.
ATENÇÃO: as terminações –am e –em podem ser consideradas ditongos nasais decrescentes em palavras como: amam, falam, além, também, etc.
Tritongo- é o encontro de uma vogal com duas semivogais e deverão estar em uma mesma sílaba. Exemplo: Pa- ra- guai
Aprender para quê?
Saber distinguir vogal e semivogal é muito importante para a sua produção de texto. Além das questões tradicionais sobre os encontros vocálicos, você precisa saber esta matéria para separar e acentuar corretamente os vocábulos*. Então, já viu, né? Se não entender direitinho este conteúdo, você corre o risco de estar fazendo uma redação e separar errado ao mudar de linha e, ainda, não acentuar direito.
* é o mesmo que palavra
IMPORTANTE
Se você procurar ‘cárie’ e ‘série’ no dicionário Aurélio, você encontrará assim:
Cá-ri : e Sé- ri : e Ín – di :o Pá – tri : a Pá – ti : o ( o sinal ‘ : ’ marca encontro vocálico não caracterizado perfeitamente como hiato ou como ditongo ) Miniaurélio Século XXI Escolar - alguns encontros vocálicos átonos – observe que o encontro vocálico não está na sílaba tônica- podem oscilar entre hiato ou ditongo.
Por isso você achou confuso um ser hiato e outro ser ditongo, na verdade os dois ora são pronunciados como hiatos, ora como ditongos. A tendência é pronunciá-los como ditongo. São chamados de instáveis: -ia, -ie, -io,-ua,-eu,-uo (átonos).

Fonte:
http://linguaportuguesaqui.blogspot.com.br/2007/07/encontros-voclicos-hiato-ditongo-e_06.html


Sugestão para trabalhar estilística

Como seria a história da Chapeuzinho Vermelho narrada pelos principais meios de comunicação de hoje

JORNAL NACIONAL

Willian Bonner: "Boa noite. Uma menina de 7 anos foi devorada por um lobo na noite de ontem".
Fátima Bernardes: "... mas graças à atuação de um caçador não houve uma tragédia".

FANTÁSTICO
Glória Maria: "... que gracinha, gente, vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo...?"

BRASIL URGENTE
José Luis Datena: "... onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades?! A menina ia para a casa da avózinha a pé e sozinha! Não tem transporte público ? Não tem segurança! Onde estava o secretário de segurança e os engenheiros da CET ? E foi devorada viva..... Sim VIVA!!! Um lobo, um lobo safado, calhorda. Põe na tela ESSE ANIMAL!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo mau. Daqui a pouco eu volto nesse caso. "

PROGRAMA EVANGÉLICO
(Pastor) "Agora meu irmãos vamos todos juntos levantar as mãos e dizer: SAI CHAPEUZINHO VERMELHO, SAI DESSE CORPO QUE NÃO TE PERTENCE..."

SUPER POP
Chapeuzinho é convidada para desfilar no programa só de lingerie vermelha.
Luciana Gimenez: " Nossa, que corpo , hein garota? Muita bonita mesmo, até eu no lugar do Lobo não iria deixar escapar essa menina!!"

BIG BROTHER
(Pedro Bial) "Fala meu Lobo, Quem você vai eliminar hoje?"
Lobo: "Hoje eu vou eliminar a Chapeuzinho vermelho, porque ela tá de complô com o Lenhador , que eu acho ao meu ver, que estão ao nível de me eliminar e isso não está fazendo bem para o ambiente da casa"

O APRENDIZ
Roberto Justus: "Chapeuzinho , o que você foi fazer na casa da vóvozinha?"
Chapeuzinho: "Fui levar uns doces para ela."
Justus: "De graça? Mas você não tinha um planejamento para isso? Achou que era o marketing mais correto? Qual seria o retorno? Que tipo de postura teve seu líder? Que providências você tomaria?"

VEJA
"... Fulano de Tal, 23, o lenhador que retirou Chapeuzinho Vermelho da barriga do lobo tem sido considerado um herói na região. "

"O lobo estava dormindo, acho que não foi tão perigoso assim", admite ele.

CLÁUDIA
"Como chegar na casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho."

NOVA
"Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama."

MARIE-CLAIRE
"Na cama com um lobo e minha avó", relato de quem passou por essa experiência."

JORNAL DO BRASIL
"Floresta: Garota é atacada por lobo".
Na matéria, a gente não fica sabendo onde, nem quando, nem mais detalhes.

O GLOBO
"Retirada Viva da Barriga de um Lobo".
Na matéria terá até mapa da região. O salvamento é mais importante que o ataque.

FOLHA DE S. PAULO
Legenda da foto: "Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador".
Na matéria, teremos um box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O ESTADO DE S. PAULO
"Lobo que devorou Chapeuzinho seria afiliado ao PT."

JORNAL AGORA
"Sangue e tragédia na casa da vovó."

PLAYBOY
(ensaio fotográfico com Chapeuzinho no mesmo mês do escândalo)
"Veja o que só o lobo viu."

SEXY
(ensaio fotográfico com Chapeuzinho um ano depois do escândalo)
"Essa garota matou a fome do lobo !!!"

CARAS
(ensaio fotográfico idem)
"Na banheira de hidromassagem na cabana da avozinha, em Campos do Jordão, Chapeuzinho vermelho (18) reflete sobre os acontecimentos: 'até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida, hoje sou outra pessoa'- admite.

ISTO É
"Gravações revelam que lobo foi assessor de influente político."

CAPRICHO
"Esse Lobo é um Gato!"

G MAGAZINE
(ensaio fotográfico com lenhador)
"Lenhador mata o lobo e mostra o pau".
\
Fonte: http://nerdzila.blogspot.com/2009/05/como-historia-da-chapeuzinho-vermelho.html



COLOCAÇÃO PRONOMINAL

Todos foram embora, a sala de aula está vazia. Sobrou somente Thiago, aluno do último ano do ensino médio, que está em pé ao lado da mesa da professora, com as mãos para trás, olhando-a enquanto sua prova é corrigida.

Ele tenta parecer calmo, embora suas pernas trêmulas demonstrem exatamente o contrário. Dona Márcia, que leciona de "Técnicas de Redação", enfim quebra o silêncio:

- O que é isso, Thiago?

- O quê, professora?

- Isso, olha... - ela aponta para uma frase no meio da redação.

- Ah... A senhora pediu uma história de amor... Achei que não se incomodaria com isso aí...

- Com o quê, Thiago? Seu texto erótico? Não, não me incomodei. É um texto bonito, até. Mas a frase... Leia de novo, por favor...

- Já li. Ela é muito forte?

- Sim, é forte. Forte de tão errada, Thiago!

- Como assim?

- Olha aqui - ela então muda o tom, pronunciando cuidadosamente cada palavra - "Os pêlos do tornozelo dele grudaram na colcha de chenile"...

- "Pêlo" tem acento!

- Eu sei, Thiago.

- "Chenile" se escreve com "ch"!

- Eu também sei disso, Thiago.

- "Colcha" não é com "x".

- Thiago, você não percebeu mesmo o erro?

- Não, não percebi - ele já está nitidamente impaciente, por se ver ferido em seus brios de escritor neófito.

- A colocação pronominal, Thiago. Veja aqui todo o contexto... Olha só... Essa frase não pode estar correta de forma alguma...

- Ah! Mas como deveria escrevê-la?

- Assim, por exemplo: "Os pêlos de seu tornozelo grudaram na colcha de chenile".

- "De seu"... - ele repete, demonstrando ter aprendido.

- Sim, Thiago. "De seu". Porque você já falava aqui da personagem, entende? E se refere a ela...

- A personagem? Mas é homem! - ele interrompe, tentando achar um equívoco na análise da professora.

- Personagem é uma palavra originalmente do gênero feminino, Thiago. Você escreve bem, não custa nada ter um pouco de afinidade com nossa Língua. Deixa eu continuar...

- Tudo bem, me desculpa... - ele agora está verdadeiramente envergonhado.

- Você se refere à personagem, então deve usar o pronome "seu" em vez de "dele". O uso de "tornozelo dele", além do erro gramatical, faz com que a frase fique bem pouco eufônica.

Thiago se mostra aborrecido. Então, a professora o consola:

- Veja pelo lado bom. Em geral, depois de uma crítica dessas, o "escritor em potencial" reage com rebeldia, fazendo de conta que não é um ignorante da gramática, mas sim um rebelde da lingüística. Você, pelo menos, viu que errou e a partir de agora não cometerá mais esse tipo de lapso. Todos erramos, Thiago. O importante é saber lidar com o erro.

- Muito obrigado, professora!

- Ah! E não mostre esse texto para o Professor Ronaldo. Ele vai encontrar outra falha. E na mesma frase!

- Como assim? Ele dá aula de Biologia III!

- Sim, exatamente. E por isso mesmo ele sabe que não há pêlos no tornozelo. Há na parte superior do pé, há na canela, mas não no tornozelo. Assim como não há pêlos no cotovelo.

- Poxa...

- Pois é, Thiago. Um escritor precisa não somente conhecer a Gramática, mas também o mundo à sua volta. 
Ah, tudo bem! Deixa isso pra lá! Você está no Brasil! Por aqui, textos com esse tipo de frase podem até ganhar destaque em publicações intelectualizadas.

Thiago sorriu.

O editor da publicação intelectualizada sorriu. O redator que deu idéia dessa frase para o concurso, por sua vez, não sorriu e ainda por cima correu pegar uma Gramática; um pouco para contestar, um pouco para aprender.

FONTE:
http://bicodepena.blogspot.com.br/2007/08/conto-enviado-para-concurso-promovido.html



COESÃO E COERÊNCIA
ATIVIDADE DE COESÃO E COERÊNCIA

TEXTO - EMBALADA
Oi que lá vinha pelo rio uma pedra boiano
em riba dessa pedra, três navegador
um deles era cego, nada enxergando
o outro não tinha braço, pois o trem cortou,
mas deles o terceiro era o mais sem-vergonha,
pois estava nuzinho como Deus criou
eis que chegando adiante o cego num berreiro
olhando para o fundo, olha um tostão gritou
e ouvindo isso o tal que era aleijado
metendo a mão no fundo o tostão apanhou
e o tal que estava nu tendo o tostão tomado
mais que ligeirinho no bolso guardou...
(Autor desconhecido)
 01. No poema popular -  EMBALADA -  há 4 erros de coerência. 
Encontre-os: 
a) ...................................................................................................
b)....................................................................................................
c)....................................................................................................
d)....................................................................................................
02. Há também 3 erros de coesão. Encontre-os: a)...................................................................................................
b)...................................................................................................
c)...................................................................................................
03. Aponte conforme o modelo abaixo se há erro de coesão ou coerência: 

a)  O acidente foi provocado pelo cego que dirigia (.................)
b) O rapaz comeu um bolo, ficou doente (.............................)
c) Vamos o sul hoje (...................................)
d) Mário pegou um avião e foi resolver um problema em São Paulo.
 Como a estrada estava muito ruim, Mário começou a sentir-se mal. (...........................................)
e) Jonas não tem dinheiro comprou uma fazenda com mil cabeças 
de gado e começou a exportar computadores. (........................)
f) Macela estava grávida. Sentindo-se muito mal o marido foi 
internado rapidamente e teve um robusto filho. (.......................)
g). Como Carlos não tinha caneta começou a escrever um belo poema (....................................)
h) Quando José morreu, convidei todos os meus amigos e fomos lá 
comemorar a sua partida. (..........................................)

04. Reescreva  o texto acima ( sem rasuras), demonstrando domínio da norma culta da língua escrita em um só parágrafo, para isso  retire as expressões coloquiais, os erros de coesão  e pontue-o adequadamente:
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

5- Argumentar é expressar uma opinião, um ponto de vista a partir   de conhecimentos adquiridos ao longo da formação de cada cidadão, seja através da escola (ensino sistematizado) ou da escola da vida. São estes conhecimentos que nos fundamentam enquanto leitores críticos e nos projetam para um novo amanhã, de certa forma, mais  amadurecidos e sábios.

PROPOSTA - PRODUÇÃO DE TEXTO
Redija um texto dissertativo – argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema - “Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?”

Fonte de origem: ENCANTO DAS ÁGUAS 



TOCANDO EM FRENTE  

dica: antes de trabalhar o texto escrito, ouvir a letra antes.


(Almir Sater / Renato Teixeira)
  1. Ando devagar porque já tive pressa
  2. E levo esse sorriso porque já chorei demais
  3. Hoje me sinto mais forte, mais feliz,
  4. Quem sabe eu só levo a certeza
  5. De que muito pouco eu sei
  6. Ou nada sei
  7. Conhecer as manhas e as manhãs
  8. O sabor das massas e das maçãs
  9. É preciso amor para poder pulsar
  10. É preciso paz para poder sorrir
  11. É preciso chuva para florir
  12. Penso que cumprir a vida seja simplesmente
  13. Compreender a marcha e ir tocando em frente
  14. Como um velho boiadeiro levando a boiada
  15. Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu sou
  16. Estrada eu vou
  17. Todo mundo ama um dia
  18. Todo mundo chora um dia
  19. A gente chega e no outro vai embora
  20. Cada um de nós compõe a sua história
  21. E cada ser em si
  22. Carrega o dom de ser capaz
  23. E ser feliz
____________________________________________________
Após ler atentamente o texto, responda às questões:
1. Assinale mais de uma alternativa que esteja de acordo com o texto:
a. (   ) Para o poeta, a vida deve ser levada, tocada como uma boiada, pois não conseguimos entender a imprevisibilidade de ambas.
b. (   ) Só é possível ser feliz nesta jornada, depois de um toque de Deus, o velho boiadeiro, que nos impulsiona pela longa estrada da vida.
c. (   ) Só através do choro individual e de outros é que descobrimos o valor de um sorriso.
d. (   ) Manhãs, maçãs e chuva fazem parte da nossa história, já que não somos donos do nosso destino.
e. (   ) Segundo o poeta, para se viver, é necessário entender o andamento da jornada e continuar vivendo.
2. Marque as afirmativas com V para verdadeiro e F para falso, de acordo com o texto:
a. (   ) Viver é uma aprendizagem, fruto da observação atenta das alegrias e dos sofrimentos pelos quais passamos.
b. (   ) Ser feliz é o destino de todos os seres humanos, independendo das chegadas e das partidas.
c. (   ) A consciência do significado da vida e o dom da capacidade de construirmos a nossa história nos deixa mais fortes, mais felizes.
d. (   ) O poeta tem hoje um sorriso de serenidade porque nunca levou a vida com ligeireza.
e. (   ) Para podermos saborear a vida, precisamos vivenciar a paz e o amor, entre outros fatores que nos mostram que é possível compormos a nossa história com serenidade.
Assinale a única alternativa correta:
3. Há várias comparações no texto que nos leva a concluir que o poeta fala:
a. (   ) da boiada
b. (   ) do boiadeiro
c. (   ) do sabor das frutas
d. (   ) dos dias vividos
e. (   ) do dom da felicidade de cada um de nós
4. Nos versos 5 e 6, o poeta demonstra que se considera um homem:
a. (   ) orgulhoso
b. (   ) sem cultura
c. (   ) experiente
d. (   ) humilde
e. (   ) sem rumo definido.
Responda com suas palavras:
5. Como era a vida do poeta no passado? Comprove sua resposta com versos da poesia.
__________________________________________________________
Gabarito
Questão 1. Alternativas a, c, e
Questão 2. a. (V)       b. (F)       c. (V)      d.(F)        e.(V)
Questão 3. Alternativa (e)
Questão 4. Alternativa (d)
Questão 5. A vida do poeta era agitada e sofrida, demonstrado nos versos 1 e 2


Fonte do texto acima. http://www.sandralamego.com/literatura/texto-para-interpretacao-ensino-medio-gabarito/#ixzz2B7YpQ99c



Atividades de interpretação de texto (com gabarito)

AULA DE PORTUGUÊS

A linguagem
na ponta da língua
tão fácil de falar
e de entender.

A linguagem
na superfície estrelada de letras
sabe lá o que ela quer dizer?

Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,
e vai desmatando
o amazonas de minha ignorância.
Figuras de gramática, esquipáticas,
atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me.
Já esqueci a língua em que comia,
em que pedia para ir lá fora,
em que levava e dava pontapé,
a língua, breve língua entrecortada
do namoro com a prima.
O português são dois; o outro, mistério.

( ANDRADE, C. Drummond de, Boitempo II. Rio de Janeiro: Record, 1999)
……………………………………………………………………………………………………….
Reflexão
1- o poema que você acabou de ler, fala-nos de língua e linguagem:
“A linguagem / na ponta da língua, / [...] / Já esqueci a língua em que comia…”
Esses dois termos são sinônimos?
2- A expressão “na ponta da língua” é denotativa ou conotativa? Explique.
3- Apesar do paralelismo entre a primeira e a segunda estrofe (ambas se iniciam de forma semelhante: “a linguagem / na ponta da língua” e “a linguagem na superfície estrelada”), elas se opõem. Explique essa oposição.
4- No poema, o falante revela uma relação ambígua com a língua que fala, o português, chegando mesmo a afirmar que “o português são dois…”, explique em que consiste essa ambiguidade e quais são esses dois “português”.
5- O autor escolheu o adjetivo esquipáticas, que significa “esquisitas”, para caracterizar as figuras de gramática. Por que ele teria preferido esquipáticas a esquisitas?
………………………………………………………………………………………………………
Gabarito
Por ser o objetivo do texto a reflexão, as respostas dadas são objetivas.
1- Linguagem é todo sistema de sinais convencionais que permite atos de comunicação. Língua é a linguagem que utiliza palavras como sinal de comunicação.
2- Conotativa.
3- Na primeira estrofe, linguagem representa a língua falada e coloquial; na segunda, a língua escrita, ensinada na escola, com suas regras e nomenclatura.
4- O poeta contrapõe o português falado com o ensinado nas escolas.
5- Esquipáticas destaca a esquisitice das regras gramaticais.
Fonte: Associação Pré UFMG-módulo II



TEXTO PARA INTERPRETAÇÃO 14 – Brasil (Nível Médio)


TEXTO PARA INTERPREÇÃO 9 – BRASIL (Nível Médio)
“Nenhum texto é uma peça isolada, nem a manifestação da individualidade de quem o produziu. De uma forma ou de outra, constrói-se um texto para, através dele, marcar uma posição ou participar de um debate de escala mais ampla que está sendo travado na sociedade.”
(FIORIN, José Luiz / SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação.
17ª edição, Editora Ática, 2007)
BRASIL
(Cazuza, George Israel e Nilo Romero,LP Vale Tudo, Som Livre, 1988)
Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram
Pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada
Antes d’eu nascer
Não me ofereceram
Nem um cigarro
Fiquei na porta
Estacionando os carros
Não me elegeram
chefe de nada
o meu cartão é uma navalha
Brasil
Mostra a tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil
Qual é o teu negócio
O nome do teu sócio
Confia em mim
Não me sortearam
A garota do fantátisco
Não me subornaram
Será que é meu fim?
Ver tv a cores
Na taba de seu índio
Programada pra só dizer sim
Grande pátria desimportante
Em nenhum instante
Eu vou te trair
_________________________________________________________
Estudo do Texto
1. Qual o significado das palavras abaixo de acordo com o texto da poesia?
a) armaram
b) malhada
c) subornaram
2. Segundo a visão dos autores e considerando o conteúdo geral da letra, quem estaria reclamando de não ter sido convidado para a festa?
3. A que festa o poeta se refere quando afirma: “Não me convidaram pra essa festa pobre…”?
4. A que homens o poeta se refere quando afirma: “…os homens armaram…”?
5. O que pode significar os versos: “…a pagar sem ver / toda essa droga / que já vem malhada / antes d’eu nascer…”?
6. Apesar do poeta não ter sido convidado para a festa, ele ficou nos arredores do local estacionando os carros. Explique o significado dos versos: “…não me ofereceram / nem um cigarro / fiquei na porta / estacionando os carros…”
7. Explique o significado dos seguintes versos: “o meu cartão de crédito / é uma navalha”.
8. Observando a segunda estrofe, o que significa o apelo feito no ultimo verso: “confia em mim”?
9. Nos três últimos versos da 3a. estrofe, há uma crítica à televisão. Que crítica é esta?
“ver tv a cores / na taba de seu índio / programada pra só dizer sim”
10. Explique o paradoxo: “Grande pátria desimportante”
______________________________________________________________
Gabarito
Questão 1.
a)      planejaram, organizaram
b)      que tem manchas
c)      induziram ou levaram alguém, mediante recompensas ou promessas, a não cumprir o dever ou a praticar ações ilegais ou injustas. No texto, o poeta constata que não foi subornado e que por causa disso acha que será o seu fim como cidadão.
Questão 2. O povo que vive no Brasil, ou seja, os brasileiros.
Questão 3. Refere-se à festa da democracia, ou melhor à eleição que aconteceu com o povo pedindo “Diretas já!”. O que aconteceu foi a eleição de Tancredo Neves pelo Congresso Nacional, sem a participação do povo como é feito atualmente. Fala em festa pobre porque o poeta considera que não houve participação popular nessa escolha.
Questão 4. O poeta considera que não havendo participação popular na escolha do Presidente da República, essa decisão, definida por um pequeno grupo de pessoas (Congresso Nacional) era uma farsa planejada com o intuito de esconder algo do povo.
Questão 5. Toda festa requer gastos, sejam financeiros, sejam materiais, sejam pessoais (esforço físico, psicológico, mental). Alguém tem que pagar por isso. O poeta reclama que o pagamento por uma festa com defeito (com manchas) foi feito pelo povo e seus descendentes.
Questão 6. A festa foi feita, mas o povo não participou dela. Apenas ficou como espectador, trabalhando para manter o país organizado.
Questão 7. Na década de 80, o Brasil enfrentou uma inflação profunda na economia. O dinheiro brasileiro perdia seu valor diariamente: era como uma navalha que feria o poder de compra do consumidor. Por isso o poeta usa a expressão: “o meu cartão de crédito é uma navalha…”. Cada vez que alguem ia às compras sentia no bolso o corte do valor do dinheiro.
Questão 8. Pede que a nação constituída e organizada confie em seu povo para resolver os problemas.
Questão 9. A influência da televisão na cultura e opinião das pessoas através dos programas que, às vezes, não eram isentos, isto é, mostrava apenas um lado do fato, da notícia.
Questão 10. Pátria grande em tamanho territorial, mas sem importância política diante do mundo ou mesmo diante de alguns brasileiros.

http://juniormax.com.br/site_portuguesirado/?p=382

Um comentário:

  1. Mtooo boom, parabens pelo site. Esta ajdando mto os ajdantes nos trabalho kk' beiijiim :*

    ResponderExcluir

Ei,... psiu!

Clique aqui e escolha a sua no Site TonyGifsJavas.com.br